GOLFINHOS ENCALHADOS – FONTE: G1

por Letícia Quito e Lisa V. Oliveira

Com a chegada do inverno, ocorre um aumento do número de animais que encalham vivos em praias de todo país. Junto a isso, sempre há uma preocupação da população local e de turistas em “salvar” esses animais. Porém, em muitos casos, principalmente quando se trata de pinguins e lobos marinhos, os animais estão apenas descansando e devem ser deixados na praia para que se recuperem e voltem ao mar por conta própria. Já em outras situações, como por exemplo, quando estão sujos de óleo, feridos ou com a saúde debilitada, os animais podem necessitar de atendimento veterinário, o que também não garante sua sobrevivência.

É preciso lembrar que estamos falando de animais selvagens que se estressam muito com a proximidade e o contato com humanos. O estresse agrava o estado de saúde dos animais, podendo causar-lhes mais danos, ou até mesmo levá-los a morte. Além disso, quando debilitados, esses animais podem transmitir doenças aos seres humanos, de modo que o contato entre ambos pode oferecer riscos à saúde.

O atendimento aos animais que encalham vivos é de responsabilidade dos órgãos públicos, embora muitas vezes seja realizado em parceria com ONGs e instituições de ensino. O atendimento adequado depende da existência de uma equipe técnica de veterinários e biólogos, de equipamentos especializados, de um local apropriado para o tratamento desses animais, entre outros fatores.

O atendimento a animais debilitados é feito em locais chamados de Centro de Reabilitação. Não existe um Centro de Reabilitação em nossa região, sendo que os centros mais próximos do litoral Sul do Estado de São Paulo ficam no Guarujá ou em Santos. Sendo assim, a melhor forma de ajudar é isolar a área para que curiosos e animais domésticos mantenham distância, e assim, o animal encalhado possa descansar na praia.  Como o transporte por longas distâncias causa um grande estresse ao animal, diminui ainda mais suas chances de sobrevivência. Diante desta condição, é preferível deixar o animal na praia a removê-lo e transportá-lo para tão longe.

Os animais marinhos são extremamente adaptados ao ambiente aquático. O fato de encalharem nas praias pode significar que eles estão apenas completando seu ciclo de vida, tratando-se de um processo natural. Porém, muitas vezes, um animal encalhado é apenas a consequência visível de uma série de impactos provocados pelo homem, tais como a poluição e contaminação marinha, vazamentos de óleo, pesca predatória, degradação do ambiente, entre outros. Assim, uma boa maneira de fazer sua parte e ajudar os animais é repensar suas atitudes perante a natureza e contribuir ao máximo para que haja menos impactos ambientais e, consequentemente, mais chances de sobrevivência dos animais e demais seres vivos do planeta.

O que fazer quando um animal encalhar vivo na praia?

– Isolar a área;

– Manter distância e evitar aglomerações para não estressar o animal;

– Afastar cães e gatos;

– Não alimentar o animal;

– Não mover o animal;

– Informar ao corpo de bombeiros ou à polícia ambiental sobre a ocorrência.