ilu_nordesteDe que forma nossas escolhas impactam positiva ou negativamente o meio ambiente? Os produtos que escolhemos na prateleira do supermercado, os equipamentos de última geração usados no dia a dia, os serviços que consumimos, as atitudes tomadas por nós. Nossas escolhas podem recuperar, conservar ou destruir recursos naturais, definindo o nível de qualidade de vida. Essas e outras questões relativas ao meio ambiente e a relação desse tema com as desigualdades sociais estão na pauta do 12º Congresso Nordestino de Ecologia, que acontece de 13 a 16 de outubro, no Hotel Fazenda Portal de Gravatá (Agreste de Pernambuco).

O encontro vai reunir ambientalistas, pesquisadores, professores, estudantes, gestores públicos, empresários e representantes da sociedade civil, que vão trocar idéias e experiências acerca do tema central “Nossas escolhas determinam o futuro”. As inscrições continuam abertas e os interessados podem ter mais informações pelo site www.sne.org.br. A expectativa é receber cerca de 600 congressistas.


O ambientalista e coordenador do evento, Marcelo Mesel, presidente da Sociedade Nordestina de Ecologia (SNE), explica que o congresso foi planejado de forma a estabelecer ligações de diferentes áreas temáticas que se relacionam ao tema central. “Escolhemos seis temas transversais que funcionarão como âncoras, além de conferências, minicursos, mesas redondas e comunicações técnico-científicas. Vamos abordar questões que modelam o nosso futuro comum, como o papel dos municípios na política ambiental, mudanças climáticas e políticas públicas de educação ambiental”, detalha Mesel. O 12º Congresso Nordestino de Ecologia é uma realização da SNE, com o patrocínio do Governo de Pernambuco e parceria da Prefeitura de Gravatá, além de diversas outras entidades.

A programação consiste de conferências, sendo a de abertura com o consultor em políticas públicas ambientais e ex-secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente, Cláudio Langone, que vai falar sobre o papel dos municípios na política ambiental. “A importância da descentralização e o papel dos governos locais para a consolidação do Sistema Nacional de Meio Ambiente (Sisnama) serão focos de abordagem junto com a apresentação de um balanço de 12 anos de vigência da Resolução do Conama, que estabeleceu que cabe ao município licenciar as atividades de impacto local e as causas do pequeno avanço da municipalização do País”, declara.

Além da programação paralela, o evento contará com minicursos, mesas redondas, oficinas e apresentação de 280 trabalhos técnico-científicos de estudantes e profissionais do Nordeste.

Sobre a escolha de Gravatá para ser sede da 12º edição do congresso, Mesel diz que a cidade marca o início da interiorização desse encontro, que tem ocorrido sempre no litoral do Estado e lembra que recentemente Gravatá foi contemplada com o título “Destaque Nacional em Planejamento Urbanístico, Paisagístico e Arborização Urbana pelo Instituto Ambiental Biosfera do Rio de Janeiro”. “É um município que tem boas práticas de conservação ambiental e instalações adequadas para comportar um evento desse porte”.

JOVENS DEBATEDORES – Nos dias 14, 15 e 16, também acontece, paralelamente ao Congresso, o I Encontro de Jovens da Bacia do Tapacurá. Alunos e professores de escolas públicas e particulares dos municípios de São Lourenço da Mata, Pombos, Gravatá, Chã Grande, Vitória de Santo Antão e Moreno vão apresentar os projetos desenvolvidos por cada instituição e os resultados obtidos ao longo do ano, com ações voltadas para o meio ambiente, sobretudo na recuperação da Bacia do Tapacurá. Durante o encontro haverá oficina prática de reutilização de materiais e apresentações culturais. A expectativa é que cerca de 400 estudantes participem do encontro no Hotel Fazenda Portal de Gravatá .

RÁDIO COMUNITÁRIA – Antecedendo o congresso, a Sociedade Nordestina de Ecologia oferecerá uma oficina de rádio comunitária com a jornalista e publicitária Mara Régia di Perna. Consultora do Instituto Internacional de Educação Ambiental do Brasil (IIEB) e coordenadora do Projeto Radiofônico Natureza Viva, Mara ministrará o curso gratuito, com módulos teórico e prático, voltado para os comunicadores que atuam na Bacia do Tapacurá. A ideia é que os participantes utilizem os conhecimentos adquiridos na oficina aplicando durante o Congresso. A oficina será de 11 a 13 de outubro, na Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural de Gravatá.

SOBRE A SNE:

Criada em 1986, a Sociedade Nordestina de Ecologia é uma Organização Não Governamental de cunho ambientalista e caráter científico. Tem por finalidade agregar pessoas e instituições que lidam com o meio ambiente, estimulando uma reflexão crítica da sociedade em relação aos temas ambientais, promovendo e incentivando o estudo da ecologia e a troca de informações, desenvolvendo ferramentas pedagógicas e de planejamento, além de implementação de ações que visam o desenvolvimento sustentável. Com atuação direta nos nove estados do nordeste brasileiro, a SNE aborda as mais diversas questões ligadas à temática ambiental, como as estratégias de desenvolvimento locais e regionais; as políticas municipais, estaduais e federais de meio ambiente; a proteção dos ecossistemas nordestinos; o uso sustentável dos recursos naturais; a produção de mudas de essências nativas; educação ambiental; o reflorestamento e a recuperação de áreas degradadas.

SERVIÇO:

12º Congresso Nordestino de Ecologia

De 13 a 16 de outubro de 2009

Hotel Fazenda Portal de Gravatá (BR 232|Km 82 –Gravatá/PE)

Informações e inscrições: www.sne.org.br|Fone: 3212.0590

Programação do XII Congresso Nordestino de Ecologia

Dia 13, das 10h às 19h30 – Credenciamento

Conferências:

Dia 13, às 20h30 – conferencia de abertura “O Papel dos Municípios na Política Ambiental”, com Cláudio Langone – ex-secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente;

Dia 14, às 15h – Comunicação e Meio Ambiente – Mara Regia di Perna – IIEB;

Dia 14, às 16h30 – A Importância da Responsabilidade Ambiental nas Empresas – Nilo Simões – Superintendente do SEBRAE em Pernambuco

Dia 15, às 15h – Mudanças Climáticas no Brasil – Rubens Born – Vitae Civilis;

Dia 15, às 16h30 – Pagamento de Serviços Ambientais como Estratégia de Conservação de Água e Floresta – Ricardo Braga – SNE;

Dia 16, às 15h – Situação dos Comitês de Bacias Hidrográficas no Brasil – Mário Dantas – coordenador do Fórum de Comitês de Bacias de Minas Gerais.

Mesas Redondas: das 10h às 12h

Dia 14 – Políticas Públicas de Educação Ambiental

· José Silva Quintas – ex-IBAMA

· Maria José Lima (ZITA) – Instituto de Ecologia Humana

· Elisabete Braga – SNE

Dia 14 – Avanços e Recuos na Legislação Ambiental

· Legislação Federal – Raul do Valle – ISA

· Legislação Estadual – Ceça Ribeiro

· MPPE – Geraldo Margela

Dia 15 – Mudanças Climáticas em Pernambuco

· Documentário: Mudanças Climáticas no Brasil – Greenpeace

· Litoral – Moacir Araújo – Depto Oceanografia – UFPE

· Mata Atlântica e Semiárido – Isabelle Meunieur – UFRPE

Dia 15 – Monitoramento Participativo da Qualidade da Água

· Grupo de Teatro Tubira-bá – Geração Futuro – Pombos

· Paulo Tadeu de Gusmão – SNE e UFPE

· Maria Luiza Ribeiro – Rede das Águas – SOS Mata Atlântica

Dia 16 – Empreendimentos Sustentáveis

· Energia Eólica – Everaldo Feitosa – Eólica Tecnologia

· Energia Solar – Carlos Salviano – Salviano Engenharia

· Ecoturismo – Vanice Selva – UFPE

· Reciclagem de Resíduos Sólidos – Ana Borba – LIXIKI

Dia 16 – Conservação e Recuperação da Biodiversidade em Pernambuco

· Sistema Estadual de Unidades de Conservação – Maria Lucia Costa Lima – CPRH

· Reflorestamento de Manguezal – Luciana Maria da Silva – Escola Mangue

· Reflorestamento da Mata Atlântica – Guimarães – SNE

· Manejo da Caatinga – Francisco Campello – Projeto Conservação e Uso Sustentável da Caatinga

Minicursos: das 8h às 10h

· Elaboração de Projetos e Programas de Educação Ambiental – Edneida Rabelo e Solange Coutinho (FUNDAJ);

· Agricultura Orgânica – Elias Moura e Adjar Case Neto (SNE);

· Gestão Ambiental nos Municípios – Elisabete Braga (SNE);

· Ecoturismo – Maíra Braga (SNE) e Aldemir Dantas (UFPE);

· Ecopedagogia – Vanice Selva e Rosalva Vasconcelos (PRODEMA / UFPE);

· Legislação Ambiental – Boisbaudran Imperiano (SNE).

Os minicursos têm carga horária de 6 horas, distribuída nos dias 14, 15 e 16 de outubro. Custam R$ 30 e dão direito a certificado. Para se inscrever no minicurso tem que estar inscrito no congresso e as vagas são limitadas a 30 participantes, cada minicurso. Inscrições e mais informações no site http://www.sne.org.br.

Eventos Paralelos:

  • Encontro de Jovens da Bacia do Rio Tapacurá

Durante os 3 dias do congresso, jovens estudantes dos 6 municípios da Bacia do Tapacurá (São Lourenço, Moreno, Vitória de Santo Antão, Pombos, Chã Grande e Gravatá), assistidos pelo Projeto REFLORESTÁGUA, coordenado pela SNE, estarão reunidos em conferências e mesas redondas planejadas por eles.

  • Feira de Iniciativas Ambientais

Trata-se de uma exposição com estandes, onde entidades e os municípios da Bacia do Tapacurá vão mostrar as iniciativas desenvolvidas na área ambiental, durante os dias do Congresso.

  • Encontro com Secretários Municipais de Meio Ambiente

Na manhã do dia 14/10, o consultor Cláudio Langone estará reunido com secretários municipais de Meio Ambiente para incentivar a criação e implantação de Políticas Públicas Ambientais no âmbito dos municípios.

  • Oficina sobre Experiências Nacionais para os Comitês de Bacia de Pernambuco

Na manhã do dia 16/10, Maria Luiza Ribeiro, da SOS Mata Atlântica e coordenadora da Rede das Águas; Marisa Figueiroa, gerente de gestão participativa da SRH; e Mário Dantas, coordenador do Fórum dos Comitês de Bacias de MG, sob a coordenação de Ricardo Braga, professor da UFPE e Conselheiro da SNE, estarão reunidos com representantes dos seis comitês de Bacias Hidrográficas de Pernambuco, com o objetivo de envolver membros representativos dos colegiados gestores de recursos hídricos do Estado no conhecimento e discussão das práticas de gestão hídrica relacionadas aos comitês de bacia no Brasil, agregando experiência para a gestão colegiada no Estado.

  • Oficina de Formação de Comunicadores da Bacia do Tapacurá

A oficina ministrada por Mara Regia di Perna, do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IIEB), acontece de 11 a 13 de outubro, para 30 comunicadores da Bacia do Tapacurá e adjacências. O objetivo é fortalecer a comunicação entre os que fazem a mídia local e as comunidades da bacia do rio Tapacurá, propiciando um maior debate e fluxo de informações sobre os acontecimentos do Congresso Nordestino de Ecologia.

  • Assembléia Geral Ordinária da SNE

Será no dia 15/10, às 20h, quando será eleito o novo Conselho, alterado o Estatuto e a diretoria atual presta contas aos sócios.

  • Mostra: Destino Capibaribe, a Exposição da Expedição

Uma exposição, durante os dias do Congresso, composta por 45 fotografias, peças de artesanato e um vídeo que revelam o modo de vida na bacia do Capibaribe. Com fotografias de Tuca Siqueira, designer de montagem de Diogo Todé, produção de Mônica Roque e coordenação de Alexandre Ramos, a Exposição é resultado da Expedição Capibaribe que, em 2007, percorreu os 270 km de extensão do rio, da sua nascente na cidade de Poção até a foz no Recife, colhendo imagens, depoimentos e peças do artesanato local para mostrar a vida e a relação dos moradores desses municípios com o rio Capibaribe. O projeto tem incentivo cultural da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e patrocínio para a produção do material gráfico da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente e da Secretaria de Recursos Hídricos.

  • Lançamento de Livros

Dia 14, às18h

Título do Livro: INSTRUMENTOS PARA A GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS

Autor: Ricardo Braga |Editora da UFPE

Apresentação: Este livro vem preencher uma lacuna no ensino de graduação e de pós-graduação, ao apresentar, de maneira objetiva e contextualizada, os diferentes instrumentos de política para a gestão ambiental e de recursos hídricos no Brasil. É, também, importante suporte ao gestor ambiental, seja ele de governo, de empresa privada ou da sociedade civil organizada. Isto porque, além de estabelecer com segurança os conceitos e referenciar adequadamente a legislação que lhes garante aplicação, busca consolidar a compreensão do que está sendo exposto, através de exemplos extraídos de práticas consolidadas em diferentes lugares do país.

Anúncios