Maputo, Moçambique, 13 de Maio.

Moçambique está a ser lesado em milhões de dólares devido à pesca ilegal de tubarão para corte das  barbatanas por parte de pescadores estrangeiros, sobretudo de origem tanzaniana, disse o administrador marítimo de Nacala, Daniel Sitoe.

O administrador informa que os pescadores ilegais operam na costa que banha os distritos de Nacala e Memba, província de Nampula, em uma altura em que a administração marítima local está desprovida de embarcações equipadas de motores para fazer a necessária fiscalização.

O quilograma de barbatana de tubarão está cotado em cerca de 750 dólares no mercado internacional.

Daniel Sitoe disse ainda que a pesca de tubarão é feita através de métodos cruéis e destrutivos uma vez que os tubarões são capturados para corte das respectivas barbatanas a bordo das embarcações após o que são atirados ao mar onde acabam por morrer.

Pela forma como é capturado e processado, a pesca de tubarão tem sido difícil de detectar, valendo-se a administração marítima de Nacala das denúncias que são efectuadas por alguns membros dos conselhos de co-gestão de pesca artesanal que operam na zona que vai do farol de Janga até ao rio Lúrio.

Segundo a fonte, os estrangeiros ilegais retiram igualmente holotúrias do fundo do mar para comercializar na vizinha Tanzânia.

O aparecimento nas costas de Memba e Nacala de partes de tubarão é frequente e confirma a prática da sua captura ilegal por pescadores não-licenciados, segundo Daniel Sitoe.

O fim das actividades do projecto de biodiversidade marinha que abarcava os distritos de Nacala, Mossuril, Memba e Ilha de Moçambique, que incluía algumas acções de controlo da costa envolvendo uma unidade da marinha de guerra retirou a protecção dos recursos marinhos naquela região de Nampula. (macauhub)

fonte: http://www.macauhub.com.mo/pt/news.php?ID=7384

Caco Araújo

Anúncios