Esse título seria até engraçado, se não fosse algo tão trágico.
Boa parte do lixo encontrado nos mares do Brasil tem sua origem fora do país e são descartados de maneira irresponsável em águas nacionais. Como é de se imaginar, as pessoas levam para o mar os maus hábitos adquiridos em terra, como eliminar seu lixo sem a menor preocupação do seu destino final.
Esse fato é constatado pelos profissionais que dependem do mar, conforme relato abaixo:
“Aqui na área de Santos, a navegação para a Laje de Santos muitas vezes espanta . Pets, sacolas plásticas (não entendo a razão de ocasionalmente juntar volumes enormes dessas sacolas), tambores de óleo, etc. Difícil conscientizar essas pessoas que vivem do mar mas que não têm a menor preocupação com os males que causam a ele”  Armando de Lucca Jr – Biólogo, Mergulhador e proprietário da Nautilus Dive Center (www.nautilusdive.com.br)
Tartaruga

 

 É inimaginavel os males que o descarte irresponsável do lixo pode causar aos seres marinhos e nos ecossistemas costeiros.
Além dessa questão, existe algo que também traz grande preocupação, principalmente aos orgãos de controle, como a ANVISA, que é o derramamento das águas utilizadas como lastro nos navios.
O problema é que essas águas trazem inúmeros microorganismos, uma diversidade de seres que não fazem parte dos ecossistemas existentes em nossos mares, além da grande quantidade de coliformes fecais, entre outros problemas.
Cada despejo é comparado à uma “caixa de supresas”. Não se sabe o que pode vir junto com essa água e o pior são os desequilíbrios ambientais em consequência desses despejos.
A International Maritime Organization da ONU estima que em 1939, 497 espécies exóticas haviam sido introduzidas em ecossistemas de todo o mundo. Entre 1980 e 1998, esse número subiu para 2.214 espécies. Um bom exemplo de organismo exótico que foi transportado pelos ambientes costeiros de todo mundo é o vibrião colérico, que foi um grande problema nas décadas de 70 e 80, que ainda afeta a Índia. Outro invasor conhecido é o mexilhão zebra (Dreissena polymopha) introduzido nos Grandes Lagos nos Estados Unidos. Hoje, esta espécie infesta mais de 40% das águas continentais americanas e causa impactos econômicos severos, principalmente para os setores elétrico e industrial, pois este molusco coloniza massivamente os encanamentos e as passagens de água.
fonte: www.ambientebrasil.com.br
Agua de Lastro

 Veja só:

Navios mercantes transportam mais que 80% das commodities mundiais e são essenciais para a economia mundial
  • Um cargueiro com capacidade de 200.000 toneladas pode carregar mais de 60.000 toneladas de água de lastro
  • Todos os navios cargueiros necessitam da água de lastro e não existem produtos substitutos para o lastreamento
  • A IMO estima que 12 bilhões de toneladas de água de lastro são transportadas anualmente ao redor do mundo
  • A IMO estima que cerca de 4.500 espécies são transportadas pela água de lastro pela frota mundial a qualquer momento
  • A cada 9 semanas uma espécie marinha invade um novo ambiente em algum lugar do globo
  • O transporte de bens por navios tem aumentado constantemente, e novos destinos tem sido alcançados
  • As espécies marinhas exóticas são consideradas uma das quatro ameaças aos nossos oceanos.
Por Ariel Scheffer da Silva – Biólogo – Instituto Ecoplan
Ponto positivo para aqueles que têm lutado para mudar essas questões, e dentreesses, vale a pena conhecer a fundação “clean up day”. Vale a pena conhecer o trabalho dessa fundação.
www.cleanupday.org.br.
Caco Araújo
Anúncios