Pescador não vende `segredo da lagosta´  

Reginaldo José da Silva, o popular Inho, é um dos diversos pescadores que existem no litoral norte do Estado e seria um anônimo a mais se não tivesse enjeitado dois milhões de dólares ofertados por uma empresa canadense, que interessou-se em saber, detalhadamente, sobre o método que ele emprega para criar lagostas e cavalos- marinhos em cativeiro. “Recusei porque, aqui, eu tenho plena liberdade e existe sol o ano inteiro. Lá, só tem gelo e eu estaria, além de subjugado, fora da minha terra”, explica o homem do mar, na maior simplicidade. Esta é a terceira oferta tentadora feita a ele, desde 1984, quando iniciou a sua criação doméstica de lagostas.

As experiências de Inho passaram a interessar empresas de pesca de diversos países do mundo depois que ele obteve sucesso numa proporção de 95% com a criação de lagostas em cativeiro. A mesma proporção ele atingiu com Continuar lendo