Cabe apenas aos profissionais ambientais o desafio da sustentabilidade?

             À luz do Relatório Brundtland, o desenvolvimento sustentável foi considerado aquele que satisfaz as necessidades da geração presente sem comprometer as das gerações futuras. Décadas depois do surgimento desse conceito, muitas carreiras ligadas ao meio ambiente despontaram: Gestão ambiental e Engenharia Florestal, por exemplo. A demanda em relação à legislação e pressões da sociedade para com as empresas abriu espaço para a atuação desses profissionais. Logo, cabe refletir se a construção de um mundo sustentável deve ser de responsabilidade apenas dos “profissionais verdes”.

            Fazer acontecer o desenvolvimento é papel de todo profissional, independente de sua área de formação. Dessa forma, é preciso enxergar que mitigar os impactos ambientais e construir um mundo socialmente mais justo e ambientalmente responsável está ao alcance de todas as áreas do conhecimento. Uma iniciativa da ONG curitibana Open Lab, em parceria com o United Nations Institute for Training and Research (UNITAR) ilustra claramente essa ideia.

            A Open Lab realiza um programa de desenvolvimento profissional chamado Open Dojô cujo objetivo é preparar jovens para aplicarem práticas sustentáveis nas empresas. A primeira fase com turma pioneira aconteceu em fevereiro e contou com a participação de recém-formados de diversas áreas do conhecimento. Nesse primeiro encontro, os participantes discutiram temas relevantes de carreira profissional e questões socioambientais a partir da experiência de profissionais que já vivenciam o desafio da sustentabilidade em suas organizações. A segunda parte do programa acontecerá em julho e os participantes têm como tarefa neste intervalo de cinco meses a construção de um ‘ecoprotótipo’ tendo como critério a relação com o tripé ambiental-econômico-social.

              O desafio da sustentabilidade será vivenciado na prática por esses jovens. E esse desafio deve começar nos bancos da escola, conforme aponta a Drª Lilian Aligleri: “A universidade tem a responsabilidade de promover o debate sobre a sustentabilidade, como também de facilitá-lo, conduzi-lo e enriquecê-lo, propiciando aos estudantes os meios para informar-se e refletir, julgar as empresas e instituir novas práticas gerenciais”. A iniciativa da Open Lab aponta que estar inserido no desenvolvimento sustentável é possível a qualquer um, independente de sua área de formação. De nada adianta uma multidão de profissionais qualificados na área ambiental se desde já, cada área do conhecimento não se preocupar em fazer a sua parte e agir concretamente em relação a tão famigerada sustentabilidade.

About these ads